30 de nov de 2008

C R I S E ? ONDE ?

Alô amigos ... É o seguinte: Essa coisa aí, crise, é uma palavrinha que quando bem propagandeada tende a crescer e até a causar uma revoada de notícias ruins, desalentadoras, carregadas de pessimismo e de veneno de alto teor tóxico. É altamente danosa à saude profissional. Se não te cuidares e se não te afastares dêsse ninho de cobras, fatalmente serás mordido. Morrerás. Isso não quer dizer que de um momento para outro, pela descrença em dias melhores ou em melhores resultados vivenciais, profissionais, terás um infarto do miocárdio e cairás duro. Não será assim. Vais é, por precaução, "cadenciar" teu trabalho. Contaminado pelo mal chamado "crise", mas resignado, levarás a vida num padrão debilitado, pleno de ilações advindas de origem desconhecida e quase sempre imputadas ao malfadado time do "diz-que diz-que". E pode reparar: Se pensares corajosa, honesta e conscientemente sobre o mar da derrota onde vens te debatendo e querendo engrenar braçadas de sucesso e alegrias, concluirás que fostes absolutamente infeliz ao optar pela companhia e a péssima orientação do perene inimigo do mais justo resultado que é o buscado, suado, trabalhado. Larga o pai da penúria. Caso continues com êle e caso sigas acreditando que, de fato, "a coisa tá ruim", um pouco mais à frente, êle é quem te largará, pois não mais precisará de ti. Na inanição profissional em que te encontrarás, não servirás mais. O engendrador, àquêle que te enfiou nessa camisa de 11 varas, sabe que com um ou dois passos que der encontrará, sem dificuldade, mais um "sábio", como tu, e que também acreditará na mensagem do "tá complicado", "tá difícil", "dêsse jeito não dá", "eu vou é parar". Portanto, te prepara ! Já tens ou quase tens um substituto. De fato é êsse mesmo o ponto final do submisso. E tu quiseste a submissão. Agora, sem "pique" psicológico para creres em ti mesmo, em teus talentos e qualidades, refletes e concluis incrédulo que a CRISE temerária que anunciavas era tão somente TUA, pois duvidastes de ti , de teu poder profissional. Mas não te acabrunhes. Não estavas sozinho. Alguns outros, como tu, diminuiram, igualmente, o rítmo produtivo, diminuiram a oferta, diminuiram o consumo, e diminuiram a renda. Sem que percebessem, FORTALECERAM um mal que apenas com um movimento natural chamado TRABALHO, seria completamente dominado. Êles decidiram fazer o que fizestes, crer no que tu crestes. NA CRISE. Hoje, contigo, também maldizem a equivocada e infeliz decisão tomada. Lembra-te de observar, ao andares na cidade: Alguém, em Joinville, não sei em outros lugares, levanta-se contra a "campanha" da crise, expõe seu pensamento pessoal a respeito e estimula todos ao trabalho, à produtividade e às alegrias dos bons resultados. O cidadão que assina outdors distribuidos por aí, tem meu voto favorável. CRISE é coisa ruim. O doente tendo seu estado agravado, entra em crise. Um momento de decisão que pode trazer danos consideraveis ou irreversiveis, também é crise. Um abalo nervoso, é chamado de crise. Um govêrno diante de situações difíceis, está em crise. A mudança de hábitos praticados não havendo concordância, pode desencadear uma crise. A modificação administrativa para melhora empresarial, pode suscitar crise. Casais sem harmonia, estão em crise. Tem outras definições. Tu podes conferir no Aurélio, ... como eu. Sabes, a LUZ, não sabes... ? Onde tem luz, não tem escuridão. Sabes, o TRABALHO, não sabes...? Onde tem trabalho, NÃO TEM CRISE. Com acêrto, era isso que meu pai dizia. Sempre concordarei. E tu ? O que pensas ? Vais comentar ? ...

INUNDAÇÃO - DESTRUIÇÃO - SOLIDARIEDADE -


Olá amigos... o estado catarinense ainda vivendo quadro desolador, de consternação coletiva, ergue-se corajoso para a reconstrução. As horas e dias de grande tensão, angustia e sofrimento de difícil avaliação, esperamos, já tenham, de fato, passado. Não há, até aqui, na história dêste pedaço do chão brasileiro, nenhum registro de um acontecimento do porte dêsse que tivemos que vivenciar bem recentemente. A escalada dos alagamentos por vários municípios catarinenses vem de longe e sempre foram preocupação e temor entre as comunidades. Desta vez, todas as experiências já amargadas por muita gente, foram vencidas e superadas pela realidade incontrolável do que antes parecia ser tão somente um"aguaceirão" diferenciado, pouco além do normal. Dedução errada. O que passávamos a ver, trazia inquietação e mêdo. Uma chuva "zangada",vigorosa, contínua, depois intermitente, começou a preocupar e a exigir atenção e movimentos de defesa da parte de todos, por apresentar-se com um jeito diferente, parecendo anunciar consequências dramáticas para várias regiões, cidades e impressionante número de famílias. O que se viu em seguida foi a água subindo assustadoramente, ganhando volume, força e poder de destruição. Estávamos começando a testemunhar novo e iminente flagelo, que se confirmaria logo em seguida. Campos, estradas, pontes, encostas, sem resistência para deter o fenômeno, entregavam-se à sua ação avassaladora. O meio rural, com suas casas, estábulos, galpões, ração animal, máquinas e equipamentos, tomado pelas águas. Foi pequeno o número de animais mantidos no campo que conseguiu sobreviver. Pelos bairros das cidades consideradas de pequeno, médio ou grande porte, a chuva forte e persistente parecia querer mostrar onde quer que estivesse, a sua disposição de abalar e destruir. E fêz isso ! Bairros invadidos por completo. Casas inteiramente dominadas pelas águas e famílias em fuga sem nada poder salvar. A grande maioria perdeu tudo o que levou anos para conseguir. Casa, móveis, eletrodomésticos e outros pertences. Temos, lamentavelmente, pessoas desaparecidas e mais de 100 mortes já anunciadas. A tragédia que volta a flagelar e fazer sofrer milhares de familias catarinenses, desta vez foi maior que das vezes anteriores. Não obstante o ferimento que não para de doer e sentindo o impacto do novo golpe sofrido, volta, com admirável coragem, a reerguer-se Santa Catarina nos braços da solidariedade brasileira. E a ajuda ao povo catarinense vem de todos os estados. Crianças, adultos, idosos, associações, igrejas, empresas, condomínios, lojas de departamentos, comercio em geral, clubes esportivos e sociais, rádios, jornais, televisões, além de outras louváveis iniciativas, empenham-se com emocionante dedicação em buscar todo o auxílio possivel e necessário para o recomeço de toda nossa gente. O momento é mesmo êsse. É de ajuda. A adversidade é sempre amarga, complicada e difícil de ser administrada. Mas quando nos sentimos estimulados pela força SOLIDÁRIA do povo reagimos, levantamos, RECONSTRUIMOS. Venha você também, participar da reconstrução dos sonhos de nosso povo. Saiba como ajudar, acessando... http://www.voluntariosonline.org.br/ ... E AJUDE !!! É grande a necessidade de roupas de uso pessoal para crianças e adultos, travesseiros, colchões, lençóis, cobertores, acolchoados, alimentos não perecíveis e COMIDA PRONTA, leite, água, bolachas e biscoitos doces e salgados, sucos, cereais, aveia, achocolatados em pó ou líquido, enlatados tipo sardinha e salsicha, produtos de higiene pessoal, produtos e materiais de limpeza, toalhas de rosto e banho, e produtos para crianças (mamadeiras, fraldas, roupas) ... entre outros. Nós ajudamos, o povo agradece, Deus documenta. A reconstrução já começou. NÓS VAMOS CONSEGUIR !!! Querendo, faça seu comentário ... Deixe seu coração falar ... Grato.

23 de nov de 2008

ENCHENTES - DE REPENTE... ELAS VOLTAM

Alô amigos . . . Só ÊLES, como sempre, não sabiam. E, ao que parece, nem mesmo chegaram a ter, em algum momento, qualquer desconfiança a respeito. Se, pelo menos isso... mas não... infelizmente não. Nem isso ! E o resultado dêsse "desligamento" tem sido, o que tem sido. Desespêro, lágrima, angustia, indignação, inconformismo. Na expressiva maioria dos casos dramáticos somados nas enchentes, está o trabalhador e toda sua familia. É na alma dêle, que a dôr machuca mais. Êle olha àquêles que lhe são caros, molhados e entristecidos, com frio, com fome e ao desabrigo. Vencido pela rudeza do impiedoso golpe queda-se, consternado, o guerreiro da esperança. E chora... Nàquêle instante, não sabe nem mesmo o que dizer, o que fazer, por onde e como recomeçar... percebe, à sua volta, familias inteiras sofrendo tanto quanto a sua. Não, não pode esmorecer. Tem que levantar. Sente no peito ferido, o reascender do ardor da luta. Recompõem-se em meio às lágrimas, domina a tristeza e opta pela determinação para vencer. Diz NÃO ao infortúnio. SIM à coragem. Com olhos enxutos e a esperança renovada, êle vai recomeçar... afinal, SEM FÉ, não dá prá viver. Cenas assim, foram produzidas pelas enchentes que o excesso de chuva acabou causando por vários e conhecidos pontos de Joinville, cidade litorânea, ao norte do Estado de Santa Catarina. Mas e ÊLES ? Os que mandam. Eles já estão com discursos prontos. Reuniões, relatórios das perdas e danos, ações imediatistas e necessárias já sendo praticadas, (tipo desobstruções de estradas, desvios emergenciais, vacinação, remédios, roupas, alimentos e até abrigo "provisório"... etc), entre uma e outra atitude "assistencial" que, quem sabe, não nos ocorreu citar. Na continuação, teremos o retôrno do sol e a volta do estilo "realizador" de governar. Imagens históricas de Joinville, provam e comprovam que essa dinâmica não é inédita, E SIM, tradicional. Vem de longe ! A trajetória de nosso municipio, tem linhas históricas sobre reveses sofridos e, também, sobre superações marcantes nascidas na bravura inquebrantável de um povo determinado a começar outra vez... outra vez... outra vez... O documento mais antigo sobre enchentes, é de 1859. Desde então, de tempo em tempo elas tem nos visitado. Foram várias. Umas maiores, outras menores. Os alagamentos do passado e do presente ressaltam UM ponto fundamental que precisa e DEVE ser considerado: Responsabilidade. Não praticada em toda sua extensão acaba, cêdo ou tarde, mostrando dramaticamente um dos mais graves pecados cometidos por sequentes gestões públicas municipais. A apuração e mapeamento preciso de todos os pontos com risco de alagamentos, para providências que possibilitem a contenção de cheias com a criação e MANUTENÇÃO de "caminhos" para vazão das águas. Imaginamos que êsse trabalho, diríamos, básico, deva estar inserido no plano de obras prioritárias da administração municipal, seja ela qual for. É o Planejamento Estratégico (urbano). Êle TEM que acontecer ! Em nossa cidade, relacionados, temos cerca de 30 pontos inseridos no grande "bacião" hidrográfico. Olhe bem a foto abaixo..... Quando acontece o transbordamento dos afluentes, o que num primeiro momento parece uma ameaça, pode acabar virando uma tragédia de proporções lamentáveis. O historiador Apolinário Ternes, quando escreveu brilhantemente o tema "Resgatar a Identidade e Reconstruir a Esperança", por ocasião dos 146 anos desta cidade, lembrou que ... "em diferentes momentos, como agora, Joinville precisou enfrentar situações críticas. E as superou, inegavelmente. O desafio de agora é o de reinventar a loucura capaz de nos reunir no coletivo, reconquistando memória e identidade" ... Pouco mais à frente, segue o historiador... "O desafio de Joinville, não é só o de recuperar o (Rio) Cachoeira, que deve transformar-se num símbolo e num aviso, mas também o de recuperar a identidade de si mesma" ... Adiante êle diz... "que Joinville deve investir num projeto de esperança.. Precisamos partilhar e compartilhar. Participar e cobrar, vigiar e semear". Sim... é isso que precisamos ! Será que êsse projeto de aparência "visionária" do historiador estaria, só agora, encontrando seu melhor momento de realização ? Surge, enfim, aquela "luzinha" no fim do túnel ? Quando, como agora, revivemos a dramaticidade dos alagamentos, A PARTIR do centro da cidade, (é sempre dalí), vemos, cada vez mais decepcionados que, embora tanto estrago e tanta tristeza, as providencias que ÊLES adotam são sempre as mesmas. Porisso as enchentes sempre se dão muito bem e nós nos damos muito mal. Como POUCO, quase NADA, se fez e se faz para evitá-las ou para impedir que as águas subam e se alastrem, ISSO DESDE 1865 (quando teria ocorrido a primeira grande enchente em l7 de dezembro, a começar pelo anel central) . . . o que acontece ? DE REPENTE, ELAS VOLTAM. Com os pontos críticos e preocupantes, MAPEADOS, com os trabalhos preventivos técnicamente perfeitos e com o planejamento das obras restauradoras centrado em fases distintas, se ÊLES (os que mandam), quisessem (ou quiserem), de fato, resolver o problema ou, no mínimo, diminuí-lo, penso que poderiam. E você ? Pensa sim, ... não ... ou prefere esperar prá ver ? Faça seu comentário !!! ...

21 de nov de 2008

NÃO DÁ PRÁ VOTAR SEM PENSAR

Olá amigos . . . Sem pensar, não é coisa boa. É investir no desconhecido. Um tiro no escuro. Decisão infeliz. Arrependimento à vista. Quando não pensamos, a definição da negligência grave que cometemos por não avaliar com a responsabilidade devida nosso legítimo e democrático direito de votar, pode ser qualquer uma dessas frases ou, até, qualquer outra que igualmente enquadre com acêrto a absurda insensatez praticada. Tem uma outra coisa que também acaba gerando resultado eleitoral decepcionante. A indiferença. É "o cara" pensar na base do "prá mim tanto faz". Não percebe que nessa inconsciência, revela descaso consigo mesmo, com a familia e com a sociedade como um todo. Tem, ainda, um fator que tem sido raiz de males incontaveis. A auto-suficiência. Por causa disso aí, nessas últimas eleições, partidos considerados invenciveis foram reprovados e superados nas urnas. Por causa disso aí, as nominatas de vereadores não foram analisadas como seria correto. Por causa disso aí, a responsabilidade hierárquica de alguns, extrapolou as raias do "mando", da autoridade sôbre os demais e, acreditando-se superpoderosa e atemorizante, quiz apropriar-se do voto alheio para aplica-lo unicamente em benefício dos seus "arranjos" pessoais ou de grupos, impedindo o livre exercício democrático segundo o direito do eleitor. Conforme rumor popular, essa inescrupulosidade em parte, só em parte, teria sido alcançada. Se olharmos, sem pressa, certos numeros finais para o legislativo, acabaremos concordando com os "sussurros circulantes". Pensemos por um instante nos vereadores Jaime Evaristo e Sargento Eduardo. Êsses dois, inegavelmente prejudicados pela eliminação sumária do bom senso, exatamente onde poderiam ter como garantidas suas respectivas reeleições, sem querer acreditar acabaram derrotados. Foram bons vereadores. Mereciam a continuação de seus mandatos. Estamos percebendo como a detida reflexão é importante ? É preciso pensar... e bem ! Se não, depois, não adianta chorar !!!
O trabalho social iniciado, mantido e praticado sob a responsabilidade do vereador JAIME EVARISTO, denominado "Projeto Amor à Vida", hoje, já tráz em sua interrupção, tristeza profunda prá muita gente. Foi, desde que começou, um serviço de atendimento e assistência às pessoas enfêrmas e às famílias carentes, excepcionalmente importante e humanitário. Pessoas doentes, em estado terminal inclusive, recebiam todo o auxilio necessário. Transporte em ambulância, roupas, remédios, alimentos e até curativos em dias específicos da semana, entre outros serviços assistenciais. Sempre foram lembradas, respeitadas, tratadas com dignidade. Evaristo não tem mais como manter êsse trabalho. Por causa de 60 votos, não retornará à Câmara de Vereadores. E agora ? Haverá alguém propenso a assumir o "Projeto Amor à Vida" ? Mas e os votos que faltaram a êles, Evaristo e Eduardo e que poderiam ter vindo do apoio que não receberam, foram prá onde ? ... É meus amigos ... é mesmo uma grande verdade. NÃO DÁ PRÁ VOTAR SEM PENSAR ! ! !

20 de nov de 2008

ELES NÃO SABEM O QUE FAZEM

Esses, ... os que conseguem fazer um padre chorar entre a indignação e o inconformismo, não temos a menor dúvida: NÃO SABEM O QUE FAZEM. Por certo, "produtos do meio". Frutos consequentes da própria ignorancia. Padre Fachini sabe disso. Ante o quadro desolador pintado com crueldade incompreensivel, o sacerdote com os olhos molhados e entristecidos não aceita curvar-se ao doído golpe da adversidade. O que se percebe, isto sim, é um coração solidário batendo com mais vigor. Pronto para recomeçar, para recuperar. Há, nêle, compaixão pelos agressores do amor. DE NÔVO roubaram e vandalizaram o espaço construido com fé inabalável em favor de crianças carentes e sofridas.
foto de Ana Nascimento
Padre Fachini, é o padre das cosinhas comunitárias. É presidente da Fundação Pauli-Madi, idealizador e trabalhador incansável em favor da manutenção e crescimento dêsse projeto que tem em sí, e em cada dia vivido, a capacidade de realizar o milagre da alimentação bem preparada, adequada e nutritiva, para cerca de 4 mil crianças nos mais diferentes pontos de Joinville. A reincidência SEQUENTE dessas perversas ações, é o que mais entristece e impressiona. Em UMA semana foram QUATRO arrombamentos, seguidos de roubo e vandalismo. O que pode uma instituição beneficente fazer para defender-se dos celerados que a espreitam para o ataque ? Não havendo, aparentemente, meios para proteção e segurança, que atitude tomar ? Padre Fachini é homem de fé, coragem, luta... não tem mêdo de ser feliz. Mas precisa ser ajudado. Senão, ... como fará para continuar ajudando? Será que existe MESMO um meio capaz de garantir às cosinhas comunitárias, PROTEÇÃO E SEGURANÇA ? Comente...

19 de nov de 2008

CRIANÇAS ESPECIAIS BENEFICIADAS

Meus amigos . . .temos, finalmente, uma boa notícia. As crianças portadoras de deficiência que gerem dificuldade em seus movimentos, já tem garantida a matrícula em escola pública mais próxima de sua casa, para o próximo ano escolar. E isso independentemente de vaga. Mas não é só ! De conformidade com a lei sancionada recentemente pelo governador do estado Luiz Henrique da Silveira (PMDB), as escolas serão obrigadas a processar as reformulações ambientais necessárias, preparando o estabelecimento para garantir adequadamente a acessibilidade à todos os alunos portadores de deficiências. Bem, imagino que todos estejamos entendendo o seguinte: Para o próximo ano, com a matrícula desde já absolutamente assegurada, cada criança portadora de deficiência que tenha dificuldade de locomoção, terá o seu educandário preparado de acôrdo com a lei, para facilitar seu deslocamento em qualquer direção. O gesto do govêrno estadual deve ser reconhecido. O benefício, portanto, já é um direito inquestionável. Cumprida a lei, o benefício avança e torna-se realidade. Além de um DIREITO, passa, também, a ser um FATO. Só assim, a feliz iniciativa será completa. Vamos aguardar . . .

18 de nov de 2008

MAIS EMOÇÃO NO TIME DE CIMA

Olá amigos . . . Lá pelo mês de setembro de 1983 ou mais próximo do início de 84, quando fazíamos com excelentes e dedicados profissionais abrangente e expressivo trabalho de cobertura esportiva na Rádio Cultura de Joinville, decidimos ampliar ainda mais nossa área de atuação. Já tínhamos bom rítmo de trabalho. Queriamos, porém, tornar nossa atuação ainda mais abrangente. Teríamos que contratar um profissional de estúdio apto, preparado, um repórter de "bom pique e "buscador" e, prá completar, UM NARRADOR. Sonhávamos, na época, em "fechar" a equipe esportiva com um locutor de força vocal, poder de improviso, criador de emoções e portador da capacidade, que poucos tem, de transformar um jôgo sem motivação, um jôgo ruim, vazio e sem graça, num jogaço de futebol. Para isso tivemos que recorrer aos conhecimentos de um amigo de muitos contatos por todo o estado e fora dêle. Era o MACEIÓ do Jornal A Notícia.Sempre solícito, empenhou-se em nos ajudar não demorando para fazer a indicação de um profissional segundo o nosso sonho. ALDO PIRES DE GODÓY. Na época, grande nome no rádio esportivo de Santa Catarina. Era tudo o que queríamos. Após contato telefônico, viajamos à Blumenau. Lá encontramos o Aldo. Pelo Maceió, fomos apresentados um ao outro. Almoçamos num bom restaurante da preferência dêle. Conversamos muito. Deixamos bem "alinhavada" sua mudança da Rádio União AM de Blumenau, para a Rádio Cultura de Joinville. Ali, relembramos fatos esportivos, rimos e vivemos bons momentos. Agradeci ao amigo Maceió a feliz indicação. De fato, o Aldo ERA O CARA ! Mas êle não veio para nossa cidade. Compromissos de trabalho de sua esposa, sem chance de administração, foi o fator de impedimento. Não veio para nossa equipe esportiva, mas sempre esteve bem próximo. Em prefixos diferentes, transmitimos incontaveis jogos de futebol pelo estado e fora dêle. AGORA O ALDO PARTIU ! Já deve estar "num bom papo" com Rodolfo Sestrem que foi outra "fera" do rádio esportivo catarinense. Estamos chateados, entristecidos. A saudade vai apertar... Mas uma coisa é certa !. Num grande espaço celestial, a "chaleira vai ferver". Haverá mais emoção no time de cima . . .

15 de nov de 2008

O "VELHINHO" SEMPRE VEM ?

Alô pessoal ... Os dias vão passando, natal chegando, comércio calculando ... Aí em cima, temos o complemento de uma frase de uma canção de natal. Ela, inteira, é assim: ..."seja rico, seja pobre, o velhinho SEMPRE VEM"... a frase é bonita. Porém, não diz a verdade. Mas as canções natalinas são muito bem feitas. São festivas, adultas, infantis, faceis de decorar e cantar. Existem composições populares e sacras. Alegram, sensibilizam, comovem emocionam. Inteligentes, com bons intérpretes, instrumentistas, corais e um povo universal que canta feliz, elas seguem abrilhantando o mais importante fato comemorativo de todos os anos. O NATAL ! E há mesmo, nêle, no natal, UM MOTIVO de júbilo. JESUS ! Não fôsse ÊLE, não haveria natal. Pode observar. Falamos no fato, nos envolvimentos, na festa, no tradicionalismo, nos preparativos, presentes, viagens, visitas, etc... e só lá, bem lá na frente, é que finalmente cai a ficha. Lembramos que O Anunciado já chegou. Ainda bem que ainda há tempo. Rememoremos Sua natalidade. Seu nascimento. Há um aniversário. Temos, de fato, porque nos alegrar. Pois alegremo-nos ! As coisas velhas já passaram, eis que tudo se fêz nôvo. Ainda bem que percebemos. De fato, o melhor presente já está entre nós. Queiramos ou não, gostemos ou não, aceitemos ou não... ÊLE VEIO... Êle SEMPRE vem ! Sua doutrina é de VIDA. Tem amor por todos e paz para todos. São dádivas eternas. Para usufruir ou não, eu e você precisamos tomar uma decisão LIVRE E PESSOAL. Mas ... e o "velhinho" ? Sim ... o Papai Noel ? Bem, êsse... Infelizmente nem sempre vem. Tem sido alegria de todos os tamanhos, mas também tem sido tristeza de todos os tamanhos. É que, a noite de natal, de tanta alegria para tanta gente, já foi e tem sido ainda, de muita tristeza prá muita gente. Mas não por causa do aniversariante sôbre quem falamos um pouquinho linhas antes. Esse, seguramente ESTÁ PRESENTE. Mas nem todos percebem. O desencanto natalino está é na AUSÊNCIA do velhinho. Olhinhos inocentes, cheios de ansiedade, olham e olham o nada, com uma esperança feliz que vai se entristecendo aos poucos,até terminar em lágrimas doídas e sem fim que a vida jamais enxugará. O velhinho não veio. Nem sempre êle vem. Porisso, tenho nada e tenho tudo contra êsse velho "distraido" que não vai ao encontro de todos àqueles que esperam, esperam e esperam por êle e êle não aparece. Sei muito bem como é isso. Viví um 24 de dezembro noturno, triste, lacrimejante, sofrido. Via crianças prá lá e prá cá com presentes e alegria diante de minha casa, enquanto na soleira de minha porta, sentada ao meu lado, com a tristeza gritando em seus olhos, minha filhinha perguntava: Pai,... o velhinho vem ? O velhinho sempre vem ? Prá ela, só em fevereiro do ano seguinte é que veio, não o velhinho, mas a alegria que naquêle natal ela não pôde ter... Só que não era a mesma coisa. Não era mais natal !No caminho para êle, para o natal, penso que talvez a partir de outubro, crianças do país inteiro escrevem cartinhas para o Papai Noel pedindo e sonhando em ganhar um presente de natal. Milhares de crianças tem suas cartinhas "adotadas" e, por certo, receberão o que esperam. Outras milhares, porém,, não tem sequer a chance de que suas cartas sejam pelo menos lidas. Nem isso acontece !. Milhares, brincam riem e cantam. Milhares, não brincam, não riem, não cantam. Se entristecem e choram. Lá em cima, bem no começo, falamos sobre uma frase de uma canção de natal. A mesma canção tem ainda, entre outras, uma frase que diz..."Eu pensei que todo mundo fôsse filho de Papai Noel" ... Você também pensou ? Não simpatizo com êle. Encanta e desencanta. Ao tempo em que tráz alegria, deixa um vazio de tristeza. Para milhares de crianças, O VELHINHO NUNCA VEM ! É propaganda enganosa. Muitas crianças só saberão disso, entristecidas, no natal . . . Se quiser, pode dar sua opinião pessoal sôbre o assunto. Faça seu comentário. Grato .....

. . . E AS CICLOVIAS ?

Olá amigos ... Durante a campanha política ouvimos de tudo. Temos a impressão de que nada foi esquecido. Ciclovias também foi assunto lembrado, apresentado e até debatido (de novo). Nossa cidade de vez em quando ainda é citada por alguém aqui ou alí, como a "Cidade das Bicicletas". E era ! Não é mais. Por consequência lógica TERIA que ser conhecida, também, como a "Cidade das Ciclovias". Nada mais natural. Se nossos administradores, um govêrno após o outro, tivessem trabalhado numa espécie de "sequência ininterrupta" no planejamento e criação de ciclovias para facilitar a mobilidade dos ciclistas com maior segurança, hoje o assunto seria de fácil tratamento. À próxima administração caberia, tão somente, apurados os pontos para expansão das ciclovias, decidir o início de "mais uma fase" dessa obra e determinar sua execução. Só que não é assim. E sabemos porque. O senhor Carlito Merss prefeito eleito de Joinville, caso estejamos certos, falou não faz muito, que circulando atualmente por todos os pontos de nossa cidade devemos ter pouco mais ou pouco menos de 40 mil ciclistas. Bem, êles circulam, não exatamente por todos os pontos. Isso é otimismo demais. Certos "pontos", não dá nem prá pensar em bicicletas. NÃO HÁ ESPAÇO para os ciclistas que não tem como deveriam ter, os direitos à acessibilidade garantidos. Não há orientação e NÃO HÁ RESPEITO. Êsses pontos os ciclistas devem evitar. É recomendável não insistir. O triste da "coisa", é que olhando o assunto de tráz para a frente, vemos uma grande injustiça. Os ciclistas que faziam por merecer a atenção administrativa de Joinville num primeiro momento, foram preteridos, esquecidos. Os empresários das empresas de transporte coletivo e seus ônibus, que vieram depois, bem depois dos ciclistas, foram prestigiados, favorecidos. Ficaram com a preferência da atenção administrativa municipal. Êles tem os seus "CORREDORES". E os ciclistas ? Bem, êles agora tem uma boa notícia que chega com mais vitalidade dando conta de que o governo federal já vem buscando e vai incrementar, ainda mais, o propósito de seguir incentivando alternativas para facilitar o "ir e vir" dos brasileiros. Nesse sentido, o Secretário Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana, Luiz Carlos Bueno de Lima, informou que já foram investidos em ciclovias no país, 15 milhões de reais. Completou o informe dizendo que existem plenas condições para, no próximo exercício, investir cerca de 200 milhões de reais. A expansão e uso de ciclovias nas cidades é prioridade e intenção declarada do govêrno federal. Bom para o prefeito Carlito Merss (PT), que tem "CICLOVIAS" em seu Plano de Govêrno. Ótimo para a cidade, excelente para os ciclistas. Mas... tem um "probleminha" aí que pode complicar nossa vida: Sabe àqueles "certos pontos" mencionados pouco antes ? A maioria dêles não oferece, salvo estudo especializado, condições para criação e uso de ciclovias... Agora é esperar prá ver...

13 de nov de 2008

ANJO OU DEMÔNIO ?


Podemos, no máximo, arriscar um palpite. Nada mais do que isso. A verdade é que de pronto não conseguimos saber, com precisão, com quem estamos lidando. Pode sim, ser um anjo. Mas pode sim, ao contrário, ser um demônio. No primeiro caso, tudo de bom. A convivência, é agradável, prazerosa, feliz. No segundo, dissimulado, trama e nos conduz para a dôr, a angústia, o sofrimento. Quando uma ou outra alternativa entre as duas aí colocadas chega a revelar-se em nossa vida, precisamos estar aptos à uma boa linha de raciocínio e ação para que saibamos decidir justa e convenientemente sobre qual atitude tomar num ou noutro caso. Diante de quem julgamos conhecer ou de quem estamos agora conhecendo, devemos estar conscientemente preparados para observar expressões, posturas, comportamentos, companhias, jeito de viver. Sem que nos façamos juízes, tampouco achando-nos capazes de vereditos precipitados, precisamos, por prevenção e zêlo pessoal ou familiar, mantermos desperto em nosso viver um sutil e inteligente espírito de vigilância. Perspicazes, teremos mais chances de evitar situações incomodativas, constrangedoras, indesejavéis. No exercício pleno da liberdade que nos é assegurado, temos o direito de decidir: O que é melhor, o doce ou o amargo ? Educação ou afronta ? Respeito ou agressão. Dignidade ou infâmia ? Temos que discernir e escolher. O ser humano pode ser bom ou pode ser mau. Êle surpreende. É imprevisivel. O que motivaria um homem que parecia bom, a obstinar-se em premeditar e perpetrar o mal contra seu semelhante, desconsiderando friamente seu estágio vivencial ? Não importa se a brutalidade e a ignomínia venha a ser praticada contra quem pode ou não pode tentar livrar-se da violencia articulada. Há, nêle, obsessão pelo mal. Em coisa nenhuma importa se o objeto a ser alcançado para satisfação do instinto maligno é criança, jovem ou adulto. Não há nenhum limite. O mal espreita paciente, sem pressa. Aguarda o momento para consumar o ataque. Daí termos que nos manter atentos. A perversidade é fruto de índole ruim, cruel e inumana. Mentes doentes premeditam coisas inacreditaveis. Lembremos o que aconteceu recentemente: Dois homens, Antonio, 40 e João, 28, atrairam com doces e jeito de "anjos, Alessandra de 8 anos. A criança não viu o mal em nenhum dêles. Talvez, se chegou em algum momento a perceber, já era tarde demais. A menina, como de costume, tinha ido à panificadora. Alí, nas proximidades, foi abordada e envolvida. Levada para "reduto dos os", foi molestada pelos dois e morta, em seguida, por estrangulamento. Os bandidos já foram prêsos. O delegado informa que êles estariam bêbados quando seviciaram a criança. Mas e daí ? Isso, atenua, porventura, o barbarismo praticado ou a dôr inimaginável dos familiares ? Nêsses dias, foram QUATRO os casos de violência extrema contra crianças no Paraná. Só no Paraná. Você que nos dá, agora, sua atenção, querendo, dê também sua opinião sôbre êsses crimes absurdos e revoltantes. Como fazer para diminuir a estatística lamentável ? A orientação dos pais às crianças pode ajudar a diminuir êsses crimes ? A pena para êsse tipo de crime deveria ser mais severa ? Opine ... Entendemos que algo precisa ser feito... enquanto isso, em meio a lamentos, inconformismos e clamor por justiça, a vida vai seguindo... e do jeito que dá ... Estejamos alertas ! Como saber: Será mesmo um anjo ? Ou um demônio ? Se cuidando e orientando o perigo segue rondando, imagine se não cuidar e orientar...

11 de nov de 2008

PURO DESCASO... E NINGUÉM FAZ NADA !

Bravo ! Bravo ! O que vemos hoje, "faz parte do pacote". E o assunto aventado agora só um pouquinho nêsse nosso espaço, ... lá atráz, a meses passados, quem sabe um ano ou pouco mais que isso, serviu para preencher espaços em noticiários nas emissoras de rádios e televisão da cidade. Apareceu, também, em generosas manchetes nos jornais. Foi matéria extensa e motivo para enquetes junto ao povo e entrevistas com o govêrno atual de Joinville e com especialistas no trato de árvores, vegetação, meio-ambiente. Falávamos todos, lá nàqueles dias que já se foram, sôbre o destino que seria dado às FIGUEIRAS às margens do Rio Cachoeira. Conversa vai, conversa vem, ... E NADA ! Enquete prá lá, enquete prá cá, E NADA ! Campanha política, E NADA ! E segue o marasmo... êta nóis.. enquanto isso, as pobres figueiras, tão defendidas por nosso povo mas desassistidas por não sei quem ou por todos da administração municipal, seguem lutando SEM AJUDA DE NINGUÉM para ficar onde, um dia, outro govêrno local e seus técnicos resolveram colocá-las. A situação agora, em que elas se encontram, nada mais é que uma lenta e angustiante preparação para o propalado e tão desejado corte. Sim ! É isso mesmo. O desejo de cortar, já foi afirmado e até publicado. Mas tem um homem entre nós, de nome Jordi Castan e que escreve no Jornal A Notícia, que sabe muito sôbre CULTIVO E CUIDADOS de árvores, entre outras habilidades relacionadas às plantas e que poderia perfeitamente ser, NO MÍNIMO, fonte de informação e orientação a quem desejasse fazer o que fôr preciso para salvar,segurar, proteger e manter as figueiras exatamente no lugar onde a mais de 12 anos as colocaram. Mas, pelo visto, os conhecimentos que êle possui não interessam. Voltamos ao assunto porque hoje, 11 de 11, terça-feira, um dos jornais da cidade publicou uma foto mostrando num ponto crítico da Rua Herman A. Lepper, algumas figueiras lutando para se manter em pé... sózinhas... abandonadas. É de indignar e insensibilidade e o descaso. E NINGUÉM FAZ NADA ! Uma pergunta: Existe mesmo em nossa cidade alguma instituição defensora do meio ambiente ? Mas se existe, por favor,... FAZ O QUE ? Certamente e ao que parece, faz protesto... nêsse caso é bom preparar faixas, bonés, camisetas e textos para que divulguemos e promovamos as "passeatas" de lamento pela sofrida e angustiante queda e consequente corte das figueiras. Mas, se me permitem, posso assegurar, com toda convicção de minha alma: Não farei parte dessa encenação que neste momento é puramente imaginária. Mas não duvidem, ... pode até acontecer mesmo ... nossa indiferença, nos enfraquece. Que pena !!! ET. Torço para que as figueiras consigam manter-se em pé até pouco depois da posse do Sr. Carlito Merss... Quem sabe êle faça amanhã, o que hoje parece tão difícil...

DESAPARECIMENTOS DE PESSOAS - Mistério ?

Olá Meus Amigos . . . Mistério, à luz do dicionário, entre outras definições é algo inexplicavel, impenetrável à razão humana, enigma de dificílima elucidação. Diante de absurdos que chegam a aturdir competentes autoridades especialistas em investigações, permanecem interrogações sem conta, absolutamente incompreensiveis, parecendo indecifraveis e de natureza sobrenatural. Como pode uma criança que está com sua mãe sentada em banco de praça, afastar-se por menos de 5 minutos para comprar um sorvete e desaparecer ? E o que dizer quando uma pessoa adulta, homem ou mulher, sai para ir na panificadora, farmácia, igreja ou ao colégio e desaparece por completo ? Como pode, enfim, uma pessoa, um ser humano, criança, jovem ou adulto, sumir sem que ninguém consiga dar uma explicação sequer ? NADA ! Nenhuma pista ? Entre preocupantes números estatísticos de desaparecimentos, tem casos, é verdade, solucionados. Eficiência investigativa, pistas repentinas e casuais, retôrno expontâneo de quem por conta própria desapareceu e resolveu voltar, contribuiram para diminuição dêsses fatos geradores de angústia, lágrimas e tristeza. A orientação familiar persistente, sobre cuidados e atenção que todos devem tomar consigo mesmos e acompanhantes, por onde quer que andem, é fator primordial de segurança, tranquilidade e bem estar. São atitudes que precisam E DEVEM ser lembradas SEMPRE. Observe que, praticamente, na maioria dêsses cassos de desaparecimentos, as informações que se seguem são imprecisas, desencontradas e sem a clareza necessária para beneficiar o desencadeamento do procedimento investigativo. E mais: Na maioria dos casos, ninguém sabe, ninguém viu ... INCRÍVEL, mas é assim mesmo. No seu entendimento o que, DE VERDADE, acaba lamentávelmente contribuindo para êsses fatos ?Irresponsabilidade ? Falta de esclarecimento ? De cuidados ? Querendo, exponha seu pensamento pessoal. Estamos acrescentando em nosso blog, fotos de pessoas desaparecidas e sobre as quais as familias não tem recebido informação alguma que possa ajudar a solucionar o quem tem sido para elas um angustiante MISTÉRIO. Olhe as fotos com calma. Se pudermos ajudar, com certeza ajudaremos ...

8 de nov de 2008

CRISTÃO POLITICANTE

Parece fácil ser cristão. Mas não é. Ser cristão é estar comprometido consigo mesmo, com sua família e publicamente com um jeito DIFERENTE de ser e viver. O cristão é alguém de fidelidade sem exceção, de conduta modelar, boas palavras, bom procedimento, responsabilidade integral, honestidade a toda prova, testemunho vivencial irreparável e outros predicados que quem desejar pode acrescentar sobre todos êsses já citados. Todo àquêle que se diz cristão precisa ser assim. E isso tudo com amável naturalidade. Quando contrariado pode ser severo, nunca retaliador. Amar é fundamental. O amor em constante exercício tem tudo a ver com respeito, afeto, amparo, visita, companhia, diálogo, prece e outras ações de aproximação fraterna e servidora. A menção ao sexo importa fazer. Êle, o sexo, DEVE VIR POR AMOR. Se quisermos, concordaremos com essa realidade. Ademais, é rigorosamente pura e verdadeira. E desarmados daquele "clic" oposicionista que todos temos, convenhamos... com amor mesmo, autêntico, há mais vida, satisfação, complemento, comunhão de almas. Fora disso, deixa de ser um ATO DE AMOR para ser algo comum como passear, tomar um sorvete, sair de férias, ... Observe que todos os outros movimentos que lembramos e que exercemos na direção do próximo, derivados igualmente do amor, tem outras configurações. A recíproca, ouso imaginar, na maioria dos casos é de gratidão, de alegria. No sexo, COM AMOR, a recíproca revela-se em termos de igualdade. A doação é sentimental, física, espiritual. É outra coisa ! Êsse jeito de ser e viver, é credencial cristã. E quem a possui cem por cento ? por inteiro ? Dá prá entender agora porque não é fácil mesmo ser cristão ? E olha que sem nos atermos a discorrer, mesmo superficialmente, sôbre outros campos da vivência cristã, já podemos deduzir o quanto precisamos mudar e melhorar para que particularmente nos sintamos bem mais cristãos do que hoje aparentamos ser ou dizemos que somos. E o que pensar sôbre o cristão na política partidária e nos envolvimentos eleitorais ? Comentários e não foram poucos, davam conta de ações politiqueiras de mandatários religiosos, adeptos contumazes da "Lei de Gerson". Não temos porque e nem queremos citar denominações. Afinal elas existem, são respeitaveis e tem historia de relevancia e altíssimo conceito. Mas não dirigem. São dirigidas. Com respeitosas exceções, dirigentes que poderiam subir no conceito ministerial, desperdiçaram especial oportunidade nas últimas eleições. Não teriam procedido com retidão. Despencaram para o NADA. Nada conseguiram. Nada ganharam. NÃO ELEGERAM NINGUÉM. E se em alguma coisa ganharam, foi em REPROVAÇÃO. Nisso, conseguiram nota DEZ. nota igual, imaginamos, recebeu tambem pela aplicação demonstrada uma horda de lacaios disparadamente mais interessada na terra que no céu, bem mais sintonizada com a matéria que com o espírito. Que conscientizem-se todos sobre a verdade que pregam. Que, por fim, convertam-se, antes de pregar conversão. Bem melhor que cristão politicante, é ser cristão perseverante. Experimentem ! Mt. 10:22 (b)

UM BLOG ÚTIL, BEM AMIGO

ELA, êle ... e eu
Quem tem me auxiliado na criação e composição dêsse nosso blog é meu neto Luiz Bruno. Sou vidrado nêle. É, entre os seis que já tenho, o "Número Um". Quando êle chegou, já estavam conosco duas netas. Tamires e Tainan. Como foi êle o primeiro a puxar a fila masculina, resolvi acrescentar ao seu nome o complemento "Número Um". Embora ainda adolescente emana prá todos nós, por sua conduta sóbria e "crescida", um agradável sentimento de alegria e bem estar. Sossegado, leva a vida estudando na ETT, enquanto em outro período, vai evoluindo sem pressa musicalmente na Casa da Cultura onde, no passar natural do tempo, segue se aprimorando na intimidade e domínio de seu violino. Dia dêsses, "proseando" com êle falei,não sei porque, em criar um blog para compartilhar pensamentos, fatos, idéias, comentários e, ao mesmo tempo, para servir aos "acessadores"... os blogueiros que nos privilegiassem em nosso trabalho, boa gama de opções informativas e, por extensão, úteis e alegres alternativas de entretenimento, inclusive musical. Ao que o Número Um respondeu tranquilamente... Se o "Vô" quiser, eu posso fazer isso. Você ? sim, eu mesmo. Fiquei meio constrangido. Eu tinha que, de alguma forma, estar sabendo disso. Mas não estava. Fazer o que . . . Recomposto de pronto rebati: Mas é mesmo meu jovem, onde é que eu ando com a cabeça... não só você pode, como deve e vai fazer um "BigBlog" pro vovô... tá ligado ? E êle respondeu ... Pode crer... E êle fez. Não sei vocês, mas eu gostei. Estamos "No Bico do Beija-Flor" (bem melhor, é claro, que no bico do corvo), desde o primeiro dia deste novembro. Nossa navegação "blogueira" é caloura, sabemos disso, mas tentaremos melhorar com a compreensão e ajuda dos navegadores visitantes. Precisamos de todos para que, como meu neto, sigamos tranquilos, sem urgência, a trilha do aperfeiçoamento. Agradecemos a atenção e o carinho de todos. Tomara gostem mesmo de "passear" por aqui, para que sempre sintam prazer em voltar. Ao Número Um, meu "sócio",meu aprêço e meu beijo. E a vocês todos, muito obrigado.

5 de nov de 2008

A LAGRIMA, A FÉ, A VITORIA...

Falemos um pouco sobre êsse homem aí. Olhando parte de sua face, ligeiramente acima do lábio superior e até quase além da sobrancelha direita, vemos com naturalidade que é um homem de pele morena e bem cuidada. Sua barba é aparada sem tempo de aparecer. Um pouco mais detidamente, agora observando de cima para baixo, percebemos que o sulco que desce feito uma catarata, tem uma só direção, um só caminho. Poderia ser algo espalhado, para um lado, para outro,... mas não é. Não existem atalhos laterais. É que estamos contemplando uma epiderme diferente, tratada, bem cuidada. Dai não existirem sequer mínimas incursões para a esquerda ou para a direita. O que desce, são muitas lágrimas ligadas umas às outras, de modo a parecer uma só. É um "corredor". Uma corrente de lágrimas. Tem pêso, dor, reflexão, emoção, esperança. É, e dá prá sentir aqui, em cada um de nós, uma oração silenciosa, poderosa, plena de fé. Contemplemos, agora, seu olhar. O que haverá nêle ? O que, nêsse momento, estariam dizendo àquêles olhos molhados, avermelhados, suplicantes, comoventes e fixos num horizonte para nós indefinido ? Quem sabe, sussuravam uma expressão pungente brotando da alma: "Sim Senhor... NÓS PODEMOS". E agora, na persistência de nossas intuições, que diríamos sôbre ESSA LÁGRIMA PRECIOSA que marca a face jovem e serena de quem estava chegando como um verdadeiro e inacreditável milagre, para confirmar e realizar por inteiro, um sonho sonhado com o preço da própria vida, por Martin Luther King que bradava com grande fé e inabalável esperança: "Eu tenho um sonho, de que um dia esta nação se erguerá e viverá o verdadeiro significado de seus principios: Achamos que estas verdades são evidentes por elas mesmas, que todos os homens são criados iguais..." O pastor idealista que pregava a igualdade e o respeito à vida, foi morto pelo preconceito e pelo desamor, cinco anos depois de ter comandado a histórica "Marcha à Washington" em 28 de agosto de 1963.

Mas o homem dos olhos encharcados de esperança e de quem falávamos lá em cima, é o mesmo que agora vemos aí, orando e agradecendo. Lá um coração comovido, uma busca emocionada. Aqui uma alma em quietude, uma oração serena, uma gratidão imorredoura. Foram quase dois anos de busca e enfrentamento. Uma campanha, difícil, fria, de perspectivas pouca animadoras. Quem, quando, como , onde e porque, se "aventuraria" a abraçar e a propagar a candidatura de quem, embora senador, passava a apresentar-se como candidato à suceder George W. Busch ? Além do mais, negro ? Não era fraca a intenção. Não era pouca coisa o objetivo. Mas êle sempre soube o que buscar E COMO BUSCAR. E começou a caminhada. Brilhou sua determinação, tenacidade, preparo surpreendente e inabalável desejo de vencer. Revelava-se em suas atitudes e em cada fase dominada, sua extraordinária capacidade de oratória, raciocinio improvisador, conhecimento político e poder de superação. Vida jovem, espírito jovem, cabeça jovem. Ainda assim, amadurecido para a vida pública, embates políticos, planejamentos administrativos e relacionamentos diplomáticos internacionais. É homem de comunicação fácil. Sabe ser sóbrio, simples, simpático, sorridente. Porisso, atrai, envolve, cativa, conquista. Assim trabalhou, lutou, cresceu, somou. Quebrou tabus e preconceitos. Aproximou, misturou, uniu, quebrou recordes.

Não só por êsses. Também por outros tantos e incontáveis motivos, ÊLE, o homem, o jovem senhor das fotos aqui mostradas estará a partir de 20 de janeiro de 2009 fazendo da Casa Branca a sua casa, a casa de sua família, e de uma nação esperançosa. Tem pleno direito e adquirido democraticamente. Afinal é BARACK OBAMA. O nôvo Presidente dos Estados Unidos da América do Norte. "Yes, we can" (Sim, nos podemos), canta a uma só voz, insuflado pela histórica vitoria que repercute no mundo, um numeroso povo composto por etnias diferenciadas que segue fazendo brilhar, num grande e feliz abraço, a realidade sem preço de um sonho aparentemente inalcansável, fruto de coragem e persistente confiança. Fruto, sobretudo do desejo de mudar, melhorar, amar... VIVER. "Yes, hope over fear - Sim, esperança além do medo".

1 de nov de 2008

Que bom que você veio . . .

É por você, prá você, com você ... sempre que desejar, pode entrar. Quando pensamos nêsse jeito de chegar mais perto, você estava em nosso pensamento. Juntos, guardando nossos limites, avaliaremos momentos, fatos, situações e, enfim, conversaremos sobre nossas coisas, nossos dias, nossa vida. "No Bico do Beija-Flor", ora aqui, ora alí, buscaremos o que pudermos de melhor para que juntos desfrutemos na paz e na perseverança, do verdadeiro sentido da vida.
Já sentimos saudade de sua próxima visita. Fique com nosso abraço...